Para os filhos dos anos 80 as séries de televisão fazem parte da nostalgia e das memórias de infância mais queridas, juntamente com os gelados cor de rosa choque vendidos à porta das escolas por comerciantes obscuros. Conseguimos enumerá-las cor, de acordo com os níveis de preferência de cada um. Tom Sawyer, Ana dos Cabelos Ruivos, O Justiceiro, MacGyver, Soldados da Fortuna (Esquadrão Classe A), Anjo na Terra, Dartacão. Cada uma destas séries trazem alguma memória, cada uma aquece ligeiramente o coração à geração mais nostálgica e agarrada à infância que é a nascida no final dos anos 70 e início dos anos 80.

Hoje em dia os miúdos têm tantos canais só para eles, tantas ofertas de entretenimento, que nem sequer têm paciência para os intervalos – mudam de canal para outra coisa qualquer, não importa o quê, a vida é demasiado curta para ver anúncios.

Porém, com algum empenho parental  é possível desenterrar a magia da televisão com algumas séries, mesmo que seja com a ajuda da Neflix, amiga de todas as horas de qualquer membro da família.

Há séries que ensinam coisas, outras que explicam sentimentos, muitas que ajudam a lidar com certas coisas para as quais toda a ajuda é bem-vinda.

Escolhemos 4 para verem com os putos quando quiserem abordar assuntos mais delicados e não sabem bem como. Quem diz que a televisão não educa?

Daniel Tigre: Esta não é fácil de aguentar pelos adultos, é verdade, precisamos de uma menta aberta. Outro dos perigos é ficar com a canção do genérico na cabeça para todo o sempre. Lamentamos. Porém, esta série aborda tantos temas que os miúdos ficam logo despachados dos assuntos pertinentes da sociedade e psicologia humana: raiva, tristeza, alegria, as diferenças entre nós Vs somos todos iguais, diversidade, doenças, etc. Há todo um mundo animado para explorar. Recomendamos a temporada 2 para quem estiver à espera do segundo filho ou o tiver tido há pouco tempo: Daniel Tigre tem uma irmã e vai aprender a lidar com todos os sentimentos que isso desperta.

Os Bastidores da Julie: Para quem guarda no coração um lugar para Julie Andrews, a Maria de Música no Coração, não se vai importar de ver esta série. Além disso é o mais próximo que temos da Rua Sésamo – olha aí a nostalgia outra vez. Julie Andrews gere um teatro onde ensina a arte a um grupo de crianças onde a diversidade é o mais importante. Cadeira de rodas, tons de pele diferentes, personalidades distintas, meninas e meninos, este grupo é uma pequena amostra do mundo – mas sem as coisas más, óbvio. Ah, estes miúdos são marionetas com a assinatura dos estúdios/oficinas Jim Henson, criador de Os Marretas. Estes miúdos têm de aprender a montar um espetáculo aceitando as diferenças de cada um, ajudando-se mutuamente por um objetivo final. Em cada episódio há um convidado especial que partilha dicas do seu ofício. Alec Baldwin, Sara Bareilles ou Josh Groban são alguns. Recomendamos esta série para os miúdos que (ainda) têm dificuldade em aceitar a diversidade e que já se deixaram contaminar com alguns preconceitos sociais.

Beat Bugs: A principal razão para ver esta série é o facto de todas as histórias serem baseadas numa canção dos Beatles – e cada episódio tem uma música da banda interpretada por malta tão incrível como Eddie Vedder, SIA, The Shins, James Corden, Robbie Williams entre muitos outros. A série passa-se na floresta onde vive um grupo de insetos bastante diferente (diversidade, diversidade), que se metem em sarilhos, ajudam o próximo e juntos constroem uma melhor mini sociedade invisível ao olho humano, principalmente no que toca a estruturas de utilidade pública- dão 10 a 0 à Câmara de Lisboa. Recomendamos esta série para os miúdos que ouvem canções infantis em loop e cujos pais precisam de uma pausa e de lhes mostrar que o mundo é vasto e os Beatles são incríveis.

O Comboio dos Dinossauros: Esta série, que também dá no Canal Panda, é bastante divertida. Principalmente a canção do genérico. Uma maravilha. As figuras centrais são quatro irmãos dinossauros e seus pais: 5 pteranodontes e um T-Rex cujo ovo foi parar ao ninho do casal de pterossauros mas que assim que saiu da casca foi aceite pela família. É completamente diferente dos irmãos – fisicamente. O objetivo é mostrar que somos todos iguais e o amor não vê as diferenças físicas. 10 pontos. Outro objetivo é ensinar TUDO sobre o fantástico mundo extinto há mais de 250 milhões de anos dos dinossauros. Sabiam que não eram répteis? Esta série explica tudo. Recomendamos aos miúdos que gostam de aprender tudo e aos pais que já não sabem responder à pergunta “o que é um fóssil?”. True story.

George, o Curioso: Uns desenhos animados old school que seguem a relação entre um homem que não tem nome, é apenas o homem do chapéu amarelo, e o seu chimpanzé, o George. Ora o George é como uma criança só que não fala (é um macaco, malta) e está sempre metido em aventuras e sarilhos. Apesar de ser um chimpanzé, toda a gente gosta dele, até porque, para macaco, ´é extremamente inteligente. Recomendamos esta série a todos os pais que queiram uma pausa nos desenhos animados de super heróis, lutas, cores agressivas e figuras esbeltas e que queiram uma coisa mais inocente e parecida com os desenhos animados da nossa infância. 

Autor

Escreva um comentário