Já estavam com saudades de um textinho a mandar bitaites sobre os livros que devem ler, não é assim? Os vossos desejos são ordens. Ler é o melhor que a gente tem, certo? Certíssimo. Assim, sem mais demoras, aqui vai uma lista supimpa.

Indio Ferias

“As Coisas que Perdemos no Fogo”, de Mariana Enriquez
Editora: Quetzal
Um conjunto de histórias macabras que não são para os mariquinhas. Metem medo, repugnância, mas não se consegue parar de ler. As descrições da autora são cinematográficas e alguém podia pegar nisto para fazer uma mini série policial daquelas mesmo boas. Até já sabemos como adaptar as histórias.

“Rita Lee, Uma Autobiografia”, de Rita Lee.
Editora: Contraponto
“No escurinho do cinema, chupando drops de anis, longe de qualquer problema, perto de um final feliz”, canta a Rita e cantamos nós. Que mulher louca, divertida, que estrela brasileira e interplanetária, adoradora de LSD. É a artista com mais canções em novelas do Brasil, amiga do peito de Elis Regina e mãe de três filhos. Inteligente, cómica, sincera, sem papas na língua nem vergonha. Esta autobiografia é tudo o que precisam este Verão.

“Depois a Louca Sou Eu”, de Tati Bernardes
Editora: Tinta da China
As crónicas e desabafos de uma argumentista e escritora brasileira que sofre de ansiedade extrema. Ataques de pânico, terapia, medicamentos, tudo a que tem direito. Neste livro ela conta as situações mais cómicas e bizarras (e às vezes dramáticas) pelas quais passou graças ao bicho que é ansiedade. Óptimo para quem não sabe o que se sofre por ter este tipo de coisas, maravilhoso para quem sofre do mesmo: não estamos sozinhas.

“Como Não Morrer de Fome em Portugal”, de Lucy Pepper
Editora: Objectiva
Este livro, ao contrário dos outros, não é novo (é de 2016) mas é tão divertido que tinha de estar aqui. Lucy Pepper é uma inglesa a viver em Portugal há muitos anos e este livro é o seu olhar – de chorar a rir – da sociedade portuguesa e, claro, da gastronomia. Sem pretensões, com muito humor e amor. Este livro foi testado na praia e acabámos a chorar a rir. Não há nada melhor que isto. Ficámos fãs da Lucy.