A Andreia tornou-se mãe há umas semanas e está a ser uma viagem do caraças. 

Texto: Andreia Mesquita Santos
Ilustração: Rita

– Em que dia nasceu a tua filha? 
3 de Junho de 2017.
– Como foi o primeiro dia com ela no mundo?
Estava muito feliz, maravilhada com a carinha dela e cansada também, muito.
– Neste momento, o que é que está a ser mais difícil para ti?
Não conseguir ter a noção da quantidade de leite que ela mama, principalmente porque está a ganhar peso lentamente.
– O que é que te passa pela cabeça quando te vês sozinha, com ela nos braços, e não pára de chorar?
Ainda não aconteceu não conseguir calá-la de forma nenhuma. Pode não ser a maneira que mais me apetecia, mas não conseguir que se cale ainda não aconteceu. Acho que a idade me traz alguma calma e a experiência do meu marido também.
– A pior coisa que já te disseram em relação à maternidade?
Não consigo destacar a pior coisa dita, há um conjunto de coisas que já me irritaram muito. Às vezes o tom com que nos dizem as coisas é o pior. Falam como se eu fosse atrasada mental só porque é a primeira vez que sou mãe. Mas todas as conversas que acabam com um “a mãe está muito ansiosa” tira-me do sério e deixam-me com instintos algo agressivos e verdadeiramente ansiosa.
Nova mae
– Uma palavra que defina o momento em que te encontras.
Assoberbada.
– O que é que gostavas que fosse diferente?
Gostava de não ter de a acordar durante a noite para ela mamar, porque dormir a noite toda é muito fixe e ela até deixa. Gostava de conseguir garantir que ela mama o suficiente para a fazer ganhar peso sem ter de introduzir suplemento. Passar horas de roda das mamas também me irrita, gostava que fosse mais fácil tirar leite com a bomba mas demora eternidades.
– Expectativa Vs. Realidade: quantas e quais expectativas, até agora, já foram defraudadas?
Até agora não tenho muitas expectativas defraudadas porque a minha filha é muito sossegadinha, mas achava que ia conseguir sair de casa todos os dias para dar uma voltinha com ela e não consigo.Tudo demora imenso tempo e quando vou  finalmente sair tenho de trocar a fralda pela enésima vez ou dar de mamar.
Pensava que nunca lhe ia vestir um babygrow para ir à rua, mas ela é tão miudinha que maior parte da roupa ainda lhe está enorme.
Que não me ia fazer confusão dar banho mas nos primeiros dias fez alguma e senti-me frustrada, mas como o meu marido é pai de 3.ª viagem suportou essa tarefa e ajudou-me a perder o medo de a deixar cair e afogá-la.
– Boas surpresas?
A minha filha ser tão sossegadinha e dormir a noite quase toda (até numa noite de cólicas dormiu três horas seguidas); estar a conseguir não descurar os cuidados comigo; conseguir controlar o impulso de ver de cinco em cinco minutos se ela respira enquanto dorme; ainda que já esteja a ganhar alguma manhas, estou a conseguir manter a regra de adormecer e dormir no seu berço e só quando está incomodada com alguma coisa é que não o fazemos; estar tão maravilhada com o facto dela ser tão fofinha e tão querida; nunca pensei gostar tanto de amamentar e querer esforçar-me para conseguir fazê-lo em exclusivo o máximo de tempo possível (esta é mesmo a maior surpresa na relação mãe-filha).
 – Outras coisas:
Vai custar-me mais do que achava voltar ao trabalho. Mas também estou feliz por confirmar o que sempre disse e quase toda a gente dizia que era porque ainda não era mãe: que não sinto que deixei de existir e estar desejosa de ir jantar com amigas e beber um copo só com o meu marido, embora ainda não me sinta preparada para me afastar dela muitas horas.