Não são maléficos (para já) nem pretende conquistar o mundo (por enquanto), mas com três anos quase quatro já gosta de organizar a semana. E eu acho que a culpa é minha.

Texto: Diana
Ilustração: Rita

“Mãe, o que é que vamos fazer no próximo fim-de-semana?”, pergunta-me ela no domingo à noite. Deuses nos livrem de querer ficar em casa a babar no sofá.

A minha filha ainda não tem três anos mas já gosta de organizar a vida dela e a nossa, por arrasto. Sinto que em parte a culpa é minha: sempre lhe contei, no dia anterior, o que íamos fazer no seguinte. Nem sei bem porquê. Talvez para me organizar mentalmente.

A brincadeira pegou e agora não há dia que não haja planos muito bem delineados, seja para o dia, seja para a semana. O que vale é que nem sempre se lembra de todos, pelo que dá para escapar de vez em quando.

Fazer planos

“Mãe, amanhã vais-me buscar à escola, vamos ao jardim, depois – e só depois – vamos ao parque e depois vimos para casa fazer mais umas coisinhas e preparar o jantar”, disse-me ela na terça à noite. Disse-lhe que sim. Nenhum dos planos se concretizou (excepto a parte de a ir buscar à escola) mas não houve qualquer consequência e por consequência quero dizer birra do inferno.

A minha filha planeia com a mesma alegria que vai brincar e não se esquece de nenhum pormenor, desde o levantar da cama, ao que vai calçar, passando pelo pequeno-almoço. A minha filha planeia tanto que hoje acordou a meio da noite para me dizer que quando chegasse da escola queria vestir o fato da Elsa.

Ela suspira de felicidade e diz coisas como “amanhã vai ser um belo dia com o sol a brilhar” se os planos forem bons (praia e/ou piscina; visita aos avós, não importa quais; almoços e jantares em restaurantes ou na casa dos nossos amigos; parque infantil; passeios no geral).

Temo que a minha filha se torne uma croma que planeia a vida toda até ao dia da reforma, não vá o diabo tecê-las. Vai ter um excel dividido por idade e objectivos a alcançar para que nada lhe fuja do controle.

Mas como eu quero que ela fique bem preparada para o mundo, vou começar a estragar-lhes os planos, de vez em quando, para a ensinar a lidar com a frustração. Senão ainda me sai uma control freak e depois eu quero ver. As coisas não são sempre como tu queres, minha menina.