Choro, bater o pé, fugas, a palavra não repetida até ao expoente da loucura, como diria Vítor Espadinha na canção dos Ornatos.

Texto: Diana
Ilustração: Rita

8h20: birra porque quer uma trança. Não dá, os caracóis acordaram virados do avesso. Birra porque não quer um totó. Tenho vontade de lhe cortar o cabelo à estalada. Em vez disso faço o totó sob protestos.

8h30, casa: birra porque quer tomar o pequeno-almoço a ver os desenhos animados. Cedemos, é demasiado cedo para discussões. Televisão acaba desligada porque ela ficou vidrada no écran e esqueceu-se de comer. Birra porque acabaram os bonecos. Tenho vontade de voltar para a cama.

9h15, casa de banho: birra porque a pasta de dentes não é a de framboesa. Birra porque ser ela a pôr a pasta na escova. Birra porque as escovas não estão alinhadas pela ordem pai-filha-mãe. Tenho vontade de enfiar as escovas de dentes na sanita.

17h, saída da escola: birra porque não quer ir para casa. Fuga para o pátio da escola. Birra porque quer ir para o jardim ou para casa de alguém. Tenho vontade de a deixar na escola para o dia seguinte.

birras

17h10, no carro: birra porque não quer estar na cadeirinha. Porque não quer ir para casa, caso eu não tenha percebido da primeira vez. Birra porque tem fome e tem de comer naquele instante, mesmo que a casa seja muito perto da escola e já estejamos a chegar. Birra a sair do carro porque na verdade está cheia de sono. Tenho vontade de fugir.

19h30, sala: birra porque não quer ir tomar banho. Gritos, fugas pela casa, tentativas de agressão, choro sem lágrimas. Tenho vontade de a deixar sozinha na banheira. Em vez disso ignoro o choro irritante e dou-lhe a porra do banho.

19h40, banheira: birra porque afinal não quer sair da banheira. Estou demasiado cansada para discutir. Deixo-a ficar até a água desaparecer pelo ralo.

19h45, casa de banho: birra porque quer vestir o vestido da Elsa por cima do pijama. Não era preciso fazer birra, caramba, bastava pedir, raios partam esta merda. Tenho vontade de ir para a cama dormir.

20h, à mesa: birra porque não quer comer a sopa sozinha. Birra porque não gosta da comida – é mentira porque ela gosta de tudo, excepto batata doce. Tenho vontade de lhe despejar a sopa pela cabeça abaixo.

20h10, na sala: birra porque é hora de deitar mas ainda é de dia. Quando os dias começam a ficar maiores não há relógio que argumente porque enquanto o sol brilhar é certo que a selva está on. Só quero ir para cama, seja de dia ou de noite.