Vivemos numa gruta no meio da selva Ama(e)zónica, comemos folhas e bichos de conta e temos não uma, mas 5 filhas cada uma. Mentira. 

Texto: Diana 
Ilustração: Rita

Autoras consagradas que somos, está na hora de nos darmos a conhecer. O mundo anseia por descobrir todos os nossos segredos mais obscuros, cada detalhe da nossa extensa biografia, pelo que, depois de muitas reservas, reuniões com agentes e advogados, decidimos revelar quem somos. Ou então foi porque não tivemos tempo de escrever e ilustrar um tema verdadeiramente interessante. Escolham a opção que quiserem (mas a segunda é a que está correcta, não que isto seja um concurso).

Somos ambas raparigas nascidas na década de 80, Diana em 80 e Rita em 81. Ambas nos criámos fora de Lisboa, a Diana na Margem Sul (assim mesmo, com maiúsculas) e a Rita para os lados de Leiria, o que fez com que ambas crescêssemos rodeadas de árvores e natureza no geral, nada bom para a rinite alérgica.

Diana:

  • Quando era pequena tinha medo de andar no balancê (e ainda hoje se sente ameaçada pelos parques infantis no geral)
  • Odeia peixe cozido;
  • É alérgica ao pólen do pinheiros, oliveiras e relva, pobre diaba;
  • Nunca sabe em que ocasiões a palavra de mais é junta ou separada;
  • Não anda de metro porque tem medo.

Rita:

  • Quando era criança não tinha medo de acrobacias e por isso rachou o queixo em dois enquanto saltava à corda (ainda tem a cicatriz);
  • Antes adorava peixe cozido, mas agora não o suporta. É uma das poucas coisas que tem em comum com a Diana;
  • Detesta mexer o café com pauzinhos de plástico por isso tem sempre uma colher de café na mala;
  • Adora cerejas (e amoras);
  • Por vezes pensa que deveria ter sido bailarina;