Archive

Outubro 2016

Browsing

Esta é a história de uma mulher que foi despedida por engravidar. É só mais uma, pensarão, no meio de tantas outras que são despromovidas, obrigadas a assinar contratos de confidencialidade quando saem para que o mundo não saiba o que aconteceu.  Texto: Diana Ilustração: Rita Maria estava efectiva numa empresa há cinco anos. Trabalhava na área de Marketing e Publicidade, sem horários e com muitas viagens dentro e fora do país. Sempre disponível, sempre de um lado para o outro. No último trimestre de 2010 engravidou. Assim que soube, contou à entidade patronal, mas a resposta não foi a que esperava: “Então estava a tentar engravidar e não disse nada?” Maria quase respondeu – “Ah, claro, peço imeeeeensaaaa desculpa, devia ter feito um mapa de assiduidade para cada evento sexual” – mas optou por se calar. Ainda assim, nada mudou, até Abril de 2011: “Prossegui normalmente o meu trabalho. Não abrandei um único segundo, o…

Fazer este site requer uma rotina que na maioria das vezes é inexistente e bastante louca. Com trabalho, prazos, filhas, um cão, uma casa para gerir, às vezes é difícil cumprir. Mas conseguimos porque somos Amãezónias. Texto: Diana e Rita Ilustração: Rita Rotina da índia Diana, responsável pelos textos da Amãezónia O despertador toca às 7h30 e mesmo assim o tempo não chega. Não que eu entre particularmente cedo, mas a miúda tem de chegar à escola antes das 9h30 e não queremos ouvir a educadora a dizer que ela chega sempre atrasada. Outra vez. Banhos, vestir, preparar pequeno-almoço, passear o cão, maquilhar, preparar marmita para o meu almoço. Voltar atrás porque me esqueci do iogurte. Voltar atrás porque ela se esqueceu do boneco. Voltar atrás para deixar as janelas abertas para a casa arejar. Chego a casa quase sempre perto das 20h e depois de toda a rotina do jantar estou…

As histórias infantis com que crescemos são machistas, paternalistas e, francamente, desagradáveis. As protagonistas são miúdas fraquinhas, totós e que passam a vida à espera de serem salvas. E se déssemos finais diferentes às histórias de encantar? Texto: Diana Ilustração: Rita Branca de Neve e os Sete Anões: Depois de ter dado um pontapés nos tomates do caçador, Branca de Neve foge pela floresta e dá de caras com uma pequena casinha. Ao entrar repara na enorme confusão: camas por fazer, loiça amontoada, lixo no chão. Abres espaço por entre o caos e dá de caras com uma estante cheia de livros. Escolhe um e vai sentar-se ao sol, à porta da casa, a ler, mas acaba por adormecer. Ao voltarem a casa, os sete anões ficam muito entusiasmados por terem uma visita. Mas de repente lembram-se no estado de desarrumação em que  casa se encontrava e sentiram muita vergonha. Foi então…

Tentarmos ser pais perfeitos, não só é impossível, como extremamente cansativo. Além disso, faz mal aos miúdos que crescem a achar que somos super-heróis e que é suposto não se cometer erros. Texto: Diana Ilustração: Rita Ter filhos é como correr uma maratona debaixo de uma chuva de sapos, enquanto carregamos quatro sacos de supermercado cheios de pacotes de leite. Descalças. Com o cabelo nos olhos. É impossível fazê-lo de forma perfeita. Tão impossível como tentar fazer um risco de eyeliner enquanto se salta de pára-quedas. Uma das melhores fotografias da minha infância, e também uma das minhas preferidas, é o espelho de uma parentalidade “I don’t give a fuck”. Sou eu, com seis anos, vestida com a minha roupa preferida: uma mini-saia de ganga e uma T-shirt de mangas curtas, às riscas vermelhas e brancas, que me deixava a barriga à mostra. Ao meu lado está o meu pai, com…

Está na hora de soltar o cabelo, pôr um baton, agarrar nos putos (opcional) e num lenço para o pescoço (está fresco) e sair de casa. Esta é a vossa agenda de fim de semana. Texto: Diana Ilustração: Rita A semana passou tão depressa, dizem uns, que nem se deu por ela. Outras acusam-na de ter passado devagar, a passo mais lento que uma lesma. As semanas são como as opiniões, cada um tem a sua e não vale a pena falar disto.  As boas notícias é que a sacana acabou e o fim-de-semana chegou. Parece que vai estar a chover, por isso decidimos dar-vos sugestões abrigadas e quentinhas, está bem? Vamos a isto. Lisboa: No Teatro Camões, o espectáculo “Quinze Bailarinos e Tempo Incerto”, de João Penalva (que trabalhou com Pina Bausch), executado pela Companhia Nacional de Bailado, está mesmo a terminar. Domingo, 23, é o último dia. Aqui…

A tortura do sono é uma técnica muito utilizada por serviços secretos, estados ditatoriais e crianças pequenas. Susana Almeida vive num estado ditatorial governado por um ser de 12 quilos. Texto: Susana Almeida Ilustração: Rita A privação do sono envolve manter os presos acordados até 180 horas seguidas e em posições exaustivas. Quando alguém é proibido de dormir tanto tempo torna-se psicótico, sofre alucinações e perde funções cognitivas básicas O meu filho começou a dormir mal há dezasseis meses. Tendo em conta que tem dezasseis meses, dorme mal desde que nasceu. Esta noite acordou à uma da madrugada e só adormeceu já passava das quatro. Foram três horas inteiras a choramingar. Pus-lhe gel nas gengivas para aliviar a dor dos dentes a nascer, não ajudou, ofereci água, não tinha sede, dei leite morno, não tinha fome, massajei a barriga, fez cocó, dei-lhe o meu telemóvel, viu o João Bebé, tirei-lhe o…

Sair de casa de manhã, a tempo e horas, pode transformar-se numa calamidade. Despachar os putos, tratar de nós, agarrar em tudo e não esquecer o almoço ou o lanche é hercúleo. Mas não precisa de ser. Texto: Diana Ilustração: Rita Todas as manhãs é a mesma coisa: os putos não querem acordar, depois é preciso vesti-los, antes disso escolher a roupa, essas meias não, as outras, não quero essa saia, quero calças, não gosto desses sapatos, dar -lhes o pequeno-almoço é como negociar com reféns, preparar as marmitas é um desespero e às vezes acabam por ficar em cima da bancada da cozinha. O relógio não pára, a mãe e o pai ainda nem sequer tomaram banho, raios partam, e quando finalmente deixam os miúdos na escola ainda têm de enfrentar o trânsito para o trabalho. Às vezes, só para tornar tudo mais divertido, há um dos putos que…

Para parar de embirrar, cobrar e discutir com os pais dos miúdos, é preciso, em primeiro lugar, deixar de querer controlar tudo. Texto: Diana Ilustração: Rita “O meu marido ajuda-me muito”; “Ele é um pai espectacular, até muda as fraldas do filho”; “Tens aí um homem para a vida, até brinca com a filha, toma conta dela.” Estamos no século XXI, as mulheres já votam (ainda que não há muito tempo) e já não precisam da autorização do marido para viajar. Trabalham, constroem carreiras, estudam e lideram. Porém, ainda há quem faça este tipo de comentários que me fazem querer partir os dentes – não os meus, o das pessoas. Estas coisas são ditas com orgulho e admiração como se fosse um facto tão surpreendente como a ida do homem à lua. Ou a descoberta de vida alienígena. Ou, imagino eu, a descoberta do fogo. Porque por um lado é…

O Outono chegou e com ele as nuvens de chuva, que às vezes também nos invadem as ideias. Nestes dias, em que todo o tempo do mundo nos parece curto, é mais difícil ter filhos e encontrar a juventude perdida. Texto e ilustração: Rita Hoje dei por mim a pensar em juventude. Em ser jovem e irresponsável. Estava cansada, confusa e a lista de coisas para fazer foi engrossando à medida que o tempo encolhia. Encostei-me à máquina de lavar roupa a pensar (com vista para a pilha de pratos sujos que estava no lavatório) e fui atropelada por uma pergunta arruaceira: raios, onde está o teu eu de antigamente? Quem és tu que moras agora neste corpo? Onde escondeste o meu antigo eu? Onde está a miúda de cabelo ao vento, sorriso fácil, ténis e calças justas? Onde está a que não falhava um concerto de rock (mesmo que fosse sozinha), a…

Um pai feminista não quer que lhe peçam a mão da filha em casamento, porque sabe que a mão é dela e que deve casar com quem bem entender. Texto: Diana Ilustração: Rita Não sei se educar uma rapariga é mais complicado do que um rapaz. Suponho que não. Também não sei se ser mulher é mais difícil do que homem, mas desconfio que sim. Sobre homens giros nunca nenhum/a candidato/a à presidência de um dos países mais poderosos do mundo disse “eu gosto de agarrá-los pelos tomates”. Não que Trump seja exemplo de alguma coisa, mas ele infelizmente existe e disse “grab them by the pussy”, referindo-se ao que gostava de fazer às mulheres bonitas. Já Obama, cujo mandato chega ao fim, é um feminista. À revista “Glamour” disse que “apesar de já termos chegado muito longe, ainda há muito trabalho a ser feito para melhorar as perspectivas de vida para…