Archive

Julho 2016

Browsing

Há coisas que as grávidas deviam saber. Conselhos importantes e da vida real que gostaríamos de ter recebido em vez de pintar tudo de cor de rosa. Fizemos uma lista que podem e devem passar a quem vai ser mãe.  Texto: Diana Ilustração: Rita Por muito natural que seja a reprodução, nunca estamos verdadeiramente preparadas para o que aí vem. Nem as mulheres, nem os homens, nem os bebés. O ser humano, raios o partam, é dependente, frágil, um bocado inacabado e bastante esquisitóide quando nasce. O facto de nos transformarmos em pessoas grandes e com pêlos é coisa que me deixa estupefacta. As grávidas, coitadas, não conseguem ver o que aí vem. Elas não sabem, ninguém lhes conta, as hormonas enchem-nas de unicórnios e arco-íris, depois o bebé mexe pela primeira vez, a grávida chora, o pai chora e é tudo muito bonito. Lembro-me de imaginar a minha licença de maternidade…

Passaram cinco meses desde que nascemos. Ultrapassámos os 5 mil seguidores no Facebook, escrevemos mais de 100 textos, fizemos quase 100 ilustrações, recebemos e-mails e mensagens, fizemos novas amigas, explorámos novos temas e tivemos muitas ideias. E temos muito mais para dizer e fazer. Mas também precisamos de descansar para que possamos continuar a aumentar a qualidade deste vosso site. Assim, a partir desta semana e até Setembro, teremos apenas um post por semana, sempre à 4ª feira. Em Setembro voltamos em força (nem imaginam a quantidade de coisas que já temos planeadas). Boas férias, boas licenças de maternidade, bom descanso, muita paciência para os putos, muitas leituras e cervejas ao fim da tarde. Não se esqueçam de despachar os miúdos uns dias, lá para o final das férias, para que vocês possam descansar a sério, ok? Entretanto, podem recordar alguns dos posts mais lidos do site: Combater a culpa…

Todos temos canções de Verão. Fazem-nos recordar melhores tempos, desgostos de amor, tardes inteiras na praia. Esta é ideal para os vossos filhos. Texto: Dr. Ponte Quando este vosso doutor era miúdo, a música no verão tinha o mesmo efeito que tem hoje: colava-se a um acontecimento ou a um local e nunca mais o largava – de tal maneira que ainda hoje andam todos agarradinhos. Aqueles dias de praia em que finalmente foi possível andar em cima de uma prancha empurrado pelas ondas (mesmo que deitado)? Há uma canção para isso. Ou aquela miúda que durante as férias inteiras não me saiu da cabeça, para descobrir, no regresso às aulas, que a safada tinha mudado de escola? Isso, outra música. Não dá para fugir a isto. E é preciso lembrar uma coisa: para ouvir a música em questão era preciso tê-la gravada (isso dos discos era um luxo) ou…

Com certeza já ouviram falar dos blogs DIY, que é como quem diz blogs “faça você mesmo”. Nos últimos anos este tipo de sites têm estado na moda porque são muito inspiradores. E aqui pela nossa selva a inspiração é uma coisa muito querida (já devem ter reparado). Fizemos uma lista dos nossos favoritos. Texto e Ilustração: Rita Uma das principais razões para publicarmos hoje esta lista é que as férias estão aí, a tocar insistentemente à campainha, a mandar emails, mensagens, a repetir vezes sem conta para abandonarem o vosso trabalho, deixarem tudo como está na secretária e correrem para o sol, para a praia, passarem tempo com os petizes. As férias são também o momento perfeito para fazermos coisas para as quais nunca temos tempo e, mesmo que não sejamos pessoas hiper habilidosas, está mais que provado que pôr mãos à obra e dedicar uma ou outra hora aos trabalhos manuais é terapêutico, anti-stress e faz…

Os fatos de banho voltaram a estar na moda e ainda bem, pensamos nós, pessoas com barrigas flácidas e mamas descaídas. Mas será que queremos mesmo usá-los? Ou preferimos o bom e velho biquíni? Contra a pressão social da perfeição, despir, despir. Texto: Diana Ilustração: Rita Desde há dois ou três anos que ficámos todas muito felizes com o regresso dos fatos de banho. Na nossa cabeça transformávamo-nos instantaneamente em estrelas de cinema dos anos 50, glamorosas, elegantes e sem uma prega a mais à mostra. Nessa fantasia também aparecem os lenços na cabeça e os óculos de sol enormes, mas quem é que tem tempo para isso? A verdade é que os fatos de banho são uma chatice, por muito giros que sejam. E não falo só do facto de demorarem o dobro do tempo a secar, ali colado ao corpo e a incomodar, mas do stress que é ir ao…

Dietas, aumentos de peso, emagrecimentos, filhos, tiróides, comida, desemprego. O corpo de uma mulher é um balão que se vai modelando, enchendo e vazando, deixando sempre marcas. Susana fala da luta, das desculpas e da pressão para emagrecer. Texto: Susana Almeida Ilustração: Rita Hoje olhei-me ao espelho e vi um rinoceronte. Ou dois, não tenho bem a certeza porque estava sem óculos. Para dizer a verdade já o andava a ver há muito tempo, mas fui usando todas as desculpas que me lembrava para o ignorar. A tiróide, o cansaço, as mudanças no emprego, começo amanhã, começo depois, a gravidez. Durante quanto tempo podemos usar a desculpa da gravidez para estarmos gordas? Acho que essa já não resulta, a minha filha mais velha tem 3 anos e o meu filho mais novo já fez 1 ano e se quero continuar a dizer a verdade tenho de admitir que já ando…

A Sílvia foi para Moçambique, a Rita escolheu a Bélgica para emigrar, a Mafalda foi para a Suécia, a Sofia para o Qatar, a Irene foi para o Brasil, a Rute foi parar a Inglaterra e a Marisa escolheu o Luxemburgo. São portuguesas a trabalhar e a criar filhos noutros países, e que nos contam as diferenças entre lá e cá. Ilustração: Rita Texto: Sílvia Valente Edição: Diana Em Outubro de 2012 o marido de Sílvia foi para Moçambique trabalhar. No Verão do ano seguinte, Sílvia e o filho foram até lá para passar férias e “ainda que ir a Moçambique de férias não seja o mesmo que viver e trabalhar, foram uns dias bem passados e o facto de a família estar junta acabou por ser determinante na decisão”, conta. Em 2014, depois de o seu contrato de trabalho ter terminado, Sílvia pegou no filho e foi para Maputo, onde hoje vivem…

A filha do Dr. Ponte revelou-se, aos quase três anos, uma fã de Led Zeppelin, deixando o pai à beira das lágrimas. Diz quem esteve presente, que foi bonito de se ver. Texto: Dr. Ponte Tempos houve em que a miúda só queria fazer as refeições se estivesse ligado um écrã com uma espécie de hipnotizante infantil – que, coisa engraçada, acabava também por hipnotizar os pais. Enfim, continuemos, até porque as coisas agora estão diferentes. Agora, a criança já se acha suficientemente crescida para dizer algo como “põe música”. E um gajo põe. Antes ia lá com uns disquinhos infantis, coisa razoavelmente medonha. Agora ela deixa que eu escolha. O que sucedeu no outro dia ao almoço foi histórico. Como pai educado que sou (obrigado, obrigado), lá perguntei: “Posso escolher?”. Ela disse que sim e levou com o álbum “Led Zeppelin III”. E – juro – nunca mais a vida…

Fizemos uma lista de livros para ler nas férias. Podem lê-los na praia, na piscina, na tenda ou no avião. O importante é que os leiam porque as férias também servem para alimentar o cérebro e dar-lhe uma folga dos Bolinhas, Rucas e Pandas desta vida. Texto: Diana Ilustração: Rita Ah, as férias. Mal podem esperar, certo? Uns dias na praia ou no campo. Ou numa cidade estrangeira, uma bebida fresca na mão, talvez uma pulseira de tudo incluído, se gostarem desse tipo de coisas, talvez um chapéu de sol com tenda incluída colado ao vizinho do lado que não conhecem. O importante é não estar a trabalhar. Para vocês que conseguem realmente descansar  fizemos uma lista de livros para ler nas férias. O vosso cérebro vai agradecer-vos a atenção e o vosso espírito vai achar que é novamente um jovem sem compromissos. Pelo menos até ao momento em que o pequeno selvagem…

Amamentar pode ser maravilhoso mas há quem discorde. Há quem não ache graça nenhuma, quem deteste e quem nunca mais queira passar por isso. E não faz mal.  Texto: Diana Ilustração: Rita Quando engravidei nunca tive dúvidas de que queria amamentar. No curso de preparação para o parto que fiz não falámos da outra opção, e todas as descrições eram de um processo natural e mágico. Mostraram vídeos inspiradores de bebés acabados de nascer e largados em cima do peito das mães, pequenos seres de olhos fechados e boca aberta que conseguiam sozinhos encontrar o caminho da mama. Iam lá pelo cheiro. Lembro-me de achar aquilo demasiado animal para o meu gosto, mas não questionei. Segundo a minha mãe amamentar “foi maravilhoso” e uma pessoa acredita na mãe, mesmo que já seja crescida. E assim me entreguei de corpo e alma à função de alimentar a minha esfomeada filha. No início aconteceu o…